segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Pelo Dia Nacional da Consciência Negra
                

                O Ouro do Capitão -
           A Literatura cumprindo a sua função social



Fanpage do livro: 
http://zip.net/bhsqdG



Os milênios da história do homem não foram suficientes pra que as sociedades se aprimorassem, plenamente, em sentimentos e práticas. E é aí que a arte pode contribuir para a causa: cabe à literatura – e às diversas formas de mídia – a missão de, nas raias da ficção, abordar temas que sejam de relevância para as pessoas e a sociedade.

O romance O Ouro do Capitão (Lisboa: Chiado Editora, 2015) é uma obra atemporal que procura, igualmente, falar a linguagem dos nossos tempos, na medida em que aborda duas questões pungentes no âmago da sociedade brasileira: a consciência negra como forte marca identitária nacional e a questão do feminino – a importância de um feminismo construtivo e necessário. Afinal, que Brasil seríamos sem a contribuição extraordinária da cultura africana ou sem a jornada firme e propiciadora da mulher? De fato, neste romance se trabalham, preponderantemente, o respeito étnico e a valorização cultural – na narrativa instigante de uma linhagem de mulheres que não temem o desconhecido, a chibata, a solidão ou a guerra!

O livro O OURO DO CAPITÃO está sendo precursor nisso: oferece ao leitor um viés literário que – mais do que campanhas na Internet que surgem e se vão como chuvas de verão – se configura numa defesa permanente das necessidades de grupos com histórico de opressão. Ora, este romance – além da função do entretenimento da viagem literária (com fortes elementos dramatúrgicos) – cumpre a obrigação suprema de uma obra da Literatura: a função de ampliar a visão social. Porque uma história boa e bem-contada tem o poder de chamar as pessoas ao sentimento – e a palavra eterniza!

Ancorados, pois, em reais experiências humanas, buscando sempre a elevação da consciência no homem e nas sociedades, precisamos mesmo falar, alardear, clamar por um pensamento social clarificador e uma consequente atitude de dignidade e respeito.

No Dia Nacional da Consciência Negra, eu convido meus leitores – e a todos aqueles que desejam ser partícipes de um processo de evolução do pensamento humano e de harmonia sociocultural – para conhecerem e lerem O Ouro do Capitão. Peço que me ajudem a empunhar as bandeiras de defesa do respeito étnico e da cultura negra.

E é importante assinalar: esta história de cinco gerações de mulheres africanas – além de permitir um passeio pela seara histórica do café no Brasil – acentua a voz consciente de um feminino que não conhece gênero, pois defende aquilo que é justo, igual e uno: a natureza humana.

Você pode adquirir o livro aqui:

PELO SITE DA LIVRARIA CULTURA:

http://www.livrariacultura.com.br/p/o-ouro-do-capitao-46283698


Pelo site da editora:


Para quem está em Portugal e Ilhas, o livro pode ser adquirido pela Bertrand Livreiros:


domingo, 20 de novembro de 2016


MEU NOVO ROMANCE EM CARAS

A Revista CARAS destaca ponto alto da minha noite de autógrafos, livro ROMA PARA SEMPRE, em 16 de novembro, na Travessa de Ipanema.

A matéria alusiva mostra a adorável e envolvente leitura feita pela atriz Rosamaria Murtinho durante a sessão. 

Uma grande atriz é, por natureza, uma portadora da palavra. E foi com o seu talento extraordinário que Rosamaria Murtinho me deu a honra de fazer a leitura do prólogo de ROMA PARA SEMPRE.

Com expressão perfeita, a atriz trouxe à tona as emoções e os sentidos da narradora-protagonista do romance. E, se os convidados se fascinaram na plateia, eu (então!) pude voltar ao âmago do livro, tamanha a verdade sentida!

Na apresentação da noite – que contou com a presença do poeta Salgado Maranhão (Prêmio Jabuti de Poesia 2016) e dos atores Israel Linhares e Andrea Paola –, um congraçamento entre letras e artes cênicas!



sexta-feira, 21 de outubro de 2016